Demência



quanto está mais severa, custa. custa muito. custa ver aqueles olhos azuis baralhados, perdidos. uma voz que diz a mesma coisa vezes sem conta. sem perceber que se está a repetir. e nós, sem podermos fazer nada. nada a não ser minimizar a perda, porque dai a um momento, a mesma voz que estava perdida, encontra-se e não se lembra do que se passou.

não é alzheimer, nem parkisson. os primeiros diagnósticos pensados. anda lá perto, demasiado perto. tão perto que pode lá chegar.
e chegou de forma tão silenciosa.
é como diz o artigo: temos ainda grandes dificuldades em diagnosticar a doença em fases pré-simptomáticas o que complica qualquer tipo de estratégia terapêutica neuroprotectora.

"Alzheimer pode-nos fazer esquecer como indivíduos mas como sociedade não nos podemos esquecer dela"

porque hoje se assinala o dia internacional da alzheimer e neste "andar" também se fala de coisas sérias

2 comentários:

Costinhas disse...

um beijinho doce mas cheio de força.

flower power disse...

obrigada S.